Você está aqui
Home > Notícias > 2015 será um ano para colocar a economia nos trilhos

2015 será um ano para colocar a economia nos trilhos

“Segundo economistas, não se pode dizer que a inflação está fora do controle. Entretanto, ela está pressionada e o cenário é preocupante. Muitos são os desafios. A taxa de juros deverá permanecer nos dois dígitos, em média 12%, durante o próximo ano. Já o PIB não ultrapassa a casa de 1,0%.

As notícias não são das melhores para o Brasil e o Paraná para o próximo ano. Economistas representantes dos principais setores da economia paranaense que se reuniram na última quarta-feira (03) no Conselho Regional de Economia do Paraná (CORECONPR), para debater as perspectivas do Brasil e do Estado para 2015 foram taxativos: “Este será um ano para colocar a economia nos trilhos”. Não haverá crescimento significativo. O Produto Interno Bruto deve chegar na casa de 1,0% apenas.

Para começar, as taxas do Índice de Preço ao Consumidor (IPCA) administrado, aquelas com monitoramento do governo, como energia, transporte urbano, combustível, gás, telefone, terão aumento. A medida é necessária para equilibrar o mercado explica o economista Lucas Dezordi, coordenador do curso de Economia da Universidade Positivo (UP) e conselheiro do CORECONPR.

“A inflação oficial vai fechar próxima a 6,5% no ano que vem. E, as condições macroeconômicas para um crescimento mais expressivo ocorrerá a partir de  2016.  Não podemos fazer a leitura de que a inflação está fora do controle. Entretanto, ela está pressionada e o cenário é delicado. É preciso que haja um realinhamento dos preços do IPCA Livre e Administrativo”, diz o economista.

Ele reforça que o aumento dos preços administrativos em 2015 vão se refletir na elevação de impostos e tarifas. Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e Imposto de Renda (IR) devem subir no próximo ano, assim como o preço da passagem de ônibus.

Dezordi também destaca que a Selic, taxa básica de juros,  corrige preços livres, como colégio e outros gastos pessoais, por exemplo, e não os administrativos. Além disso, de acordo com ele, “pouco provavelmente” teremos juros abaixo de 12% em 2015. “Há neste momento desvalorização do câmbio, perda de poder aquisitivo e perda do poder de compra internacional”. Em 2016, com previsão de equilíbrio da economia, começa a reduzir a pressão sobre a inflação e o índice deve baixar para 11,25%.

“Hoje, temos a indústria para acertar, a economia para colocar nos trilhos, vamos perder um ano de crescimento. Há deficit de transações correntes entre 3,5% e 3,7%, maior do que nos anos de 2003 e 2004.

Safra agrícola – O crescimento da safra agrícola será mais modesto e os preços do milho, trigo e soja já estão menores.

PIB Paraná e Indústria – A indústria paranaense (automotiva e de produtos eletrônicos) vem sofrendo muito com o cenário nacional. As vendas no varejo (comércio) estão fracas e com isso o Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná vai crescer mais próximo do PIB nacional em 2014 e 2015. Isto é, numa média entre 0,2% e 0,8%, respectivamente.

Política Fiscal – A melhora no superávit primário (saldo positivo nas contas do Governo Federal, muito utilizado para pagar juros da dívida pública) chegará a 0,20% neste ano. Em 2015 em 1,00% e em 2016 a 1,80%. “Imprescindível para ajustar o ambiente macroeconômico. O ideal seria um aumento entre 2,5% e 3% o que melhoraria a expectativa sobre a inflação e a curva de juros”, diz Dezordi.

Ainda de acordo com o economista, se os preços forem realinhados, em 2016 deve haver uma retomada do crescimento, sendo puxada principalmente pela Agropecuária, que é bastante suscetível ao  câmbio. “A inflação fica mais próxima de 3% ao ano a partir de 2017”, finaliza.

Desafios 2015

A nova equipe econômica anunciada pela presidente Dilma Rousseff terá que trabalhar duro para:

– Melhorar o nível de confiança dos empresários e consumidores;

– Evitar o rebaixamento das notas de classificação de risco dos títulos públicos, no cenário internacional;

– Manter o nível do Grau de Investimentos;

– Ampliar a transparência da política fiscal e buscar obter um superávit primário acima de 2% do PIB, a partir de 2016;

– Evitar uma expansão do crédito (público e privado) acima de 12% ao ano;

– Desenhar uma nova estratégia de crescimento e desenvolvimento econômico, com foco no avanço da produtividade e redução nos custos de produção;

– Compromisso, a longo prazo, com uma taxa de inflação mais próxima de 3% ao ano.

Fonte: CORECONPR

INDÚSTRIA

O economista Roberto Zürcher, do Departamento Econômico da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), considerou 2014 um ano de “tragédia” para a indústria. “O terceiro ano de queda após o Plano Real”. Todavia, ele acredita que o “fundo do poço” já passou, e prevê que a indústria do Paraná deve retomar o seu dinamismo e crescer acima da brasileira. Para Zürcher, agosto foi o pior mês, com demissões no setor. “Só em 2017 vamos voltar ao normal.”

A Indústria não tem bons números como a Agricultura, comparou Zürcher, durante sua explanação sobre o setor, no CORECONPR. Entre os principais motivos estão o fato do crédito ser bastante fácil para o consumo e mais difícil para a produção, o que torna factível uma crise. Ele lembra que o crédito pessoal subiu 1.271% nos últimos anos, enquanto que para a pessoa jurídica ficou em 441%.

Zürcher também ressalta que a participação das economias emergentes vem crescendo. “Todavia, não crescemos como o resto do mundo. O Comércio Internacional, em termos monetários, cresce um Brasil a cada ano. A Europa cresceu 500% a mais do que nós. O Brasil cresce um Estados Unidos a cada 6 anos. Então, nós não estamos crescendo”, frisa ele.

A boa notícia é que mesmo com um cenário considerado ruim, nacionalmente, “temos uma indústria forte, o Paraná cresceu mais de 60% nos últimos 10 anos. O dobro do Brasil”, ressalta.

Futuro – A indústria do Paraná deve retomar seu dinamismo em 2015 e crescer acima da média nacional. Por outro lado, diz Roberto Zürcher, se ocorrer aumento de impostos estaduais, corre-se o risco de haver uma saída de indústrias para Santa Catarina. O crescimento do PIB Paranaense não deve mostrar o dinamismo dos últimos 4 anos e ficará abaixo da expansão do PIB nacional (principais motivos: preços de commodities, crise Argentina, situação financeira do Estado).

Ele também destaca que apesar da situação econômica nacional, o Paraná é um Estado visado para receber Investimento Estrangeiro Direto (IED).

AGRICULTURA

Embora a Agricultura seja um dos setores de maior aumento de produtividade no Brasil e o Paraná considerado um estado muito diferenciado nesse setor, ainda há muito o que se fazer. Além disso, é preciso lembrar que a área agrícola está chegando no limite para a produção de grãos no Paraná. O crescimento de 18% no setor vai ser menor que no restante do país, e o estado deve perder posição.

Segundo o economista Pedro Augusto Loyola, coordenador do Departamento Técnico Econômico da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), estes são alguns pontos que precisam ser revistos para que o Agronegócio no Brasil e no Paraná continue colhendo bons resultados:

– Necessidade de maior estabilidade macroeconômica para ampliar o horizonte de planejamento para os agricultores e agentes das cadeias produtivas do agronegócio e reduzir riscos econômicos e financeiros;

– Regulamentação clara nas áreas ambiental, de biossegurança, seguridade dos alimentos, segurança biológica, do trabalho e de relações internacionais;

– Investimento em logística, defesa sanitária, P&D para agropecuária, educação técnica e superior na área Macrosetorial e de provisão de “bens públicos”;

– Marcos regulatórios para a área internacional;

– Ampliação do financiamento para o produtor, maior assistência técnica e extensão rural, gestão dos riscos do negócio agropecuário.

– Aumento de Produtividade.

O Paraná é considerado um país dentro do Brasil, muito diferenciado por sua agricultura, um dos setores com maior aumento de produtividade, 69% de 1995 para cá. Um crescimento de 143% na produção, numa área agrícola que teve aumento de apenas 44%. A Agricultura familiar corresponde a 74% da produção de 1 milhão de empregos.

Avicultura (frango, carnes, frango de corte) tem o segundo valor bruto de produção. O milho possui o 3º valor bruto, sendo a soja o carro chefe. Para 2015, a previsão é que a safra de grãos do Paraná atinja 37,9 milhões de toneladas contra os 36,1 milhões de 2014. A área de feijão deve diminuir 19%, a de milho 10%. A de soja deve ser 3% maior. Já, o leite deve ter oferta maior do que a demanda.

Por outro lado, segundo Pedro Loyola, o Governo não tem política adequada para a plantação do trigo e quando ela acontece é fora do tempo. “O governo deprimiu mais ainda o trigo por conta da inflação e ao dar isenção de 1% para o trigo exportado”. Além disso, “a falta de um plano de seguro agrícola traz mais instabilidade ainda,  e [neste caso] a gente tá falando de trigo, milho e feijão. Na área de grãos de verão 87% é soja. É preciso diversificar”, finaliza.

Números da Agricultura no Paraná

– 74% das exportações do Paraná provém do Agronegócio;

– Maior exportador de carne de frango do Brasil, com participação de 31,2%.

– 2º maior produtor de grãos;

– 1º lugar em produção e exportação de Açúcar, Café, Laranja (suco);

– 2º lugar em produção e 1º em exportação de Álcool e Tabaco;

– 2º lugar em produção e  em exportação de Soja (complexo) e Bovino;

– 532.840 Propriedades Rurais;

– 1.097.438 empregos gerados.

EMPREGOS

De acordo com o economista do Departamento Intersidical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Fabiano Camargo da Silva, apesar do cenário atual não ser dos melhores o setor de empregos continua com dados positivos. Ele lembrou que a geração de empregos formais no Brasil entre janeiro e outubro de 2014 foi de 912.287 postos de trabalho. No Paraná o número é de 84.720.

Mesmo ressaltando que o momento é marcado por incertezas, baixo crescimento, persistência da crise internacional, e que o desempenho da economia e a geração de empregos para 2015 depende do tipo de ajuste que será feito pela nova equipe econômica, o Dieese mantém boas expectativas em relação às seguintes questões: continuidade da geração de empregos; processo de aumento da renda (negociações coletivas, salário mínimo, piso regional PR, programas de transferência de renda); e manutenção de baixas taxas de desemprego.

O crescimento dos empregos formais no Brasil entre os anos de 2003 e 2013 foi de 65,67%, com uma geração de 19,4 milhões de postos de trabalho. No Paraná, neste mesmo período, o crescimento foi de 65,65%, com geração de 1,2 milhão de empregos. O maior número de vagas ocorreu no setor de Serviços, seguido pela Indústria da Transformação e da Construção Civil.

Por outro lado, o Dieese continua a ver os seguintes problemas no mercado de trabalho: informalidade alta; salários baixos; rotatividade alta; diferenças salariais entre gênero e raça; problemas com Saúde e Segurança do trabalho.

Além dos economistas da FAEP, FIEP, DIEESE e UP, o CORECONPR chegou a convidar economistas deputados, que por ocasião de agenda, não puderam estar presentes.

Fabiano Camargo

Fabiano Camargo

rz

Roberto Zurcher

pl

Pedro Loyola

ld

Lucas Dezordi

reune

CORECONPR reúne economistas do DIEESE, FIEP, FAEP e UP para analisar a economia. Crédito : Sans Michel

au

Auditório

Deixe uma resposta

Top